+1000 compositoras da música clássica

Mulheres vem ganhando espaço na música clássica.

“Ganhar espaço” basta para nos remeter ao tremendo esforço e dificuldade de ser reconhecida como cantora, instrumentista, compositora e maestrina. Aqui eu tinha incluído a parte –  em tempos onde as mulheres eram desestimuladas a seguirem carreira na música e, inclusive, impedidas de serem membros de orquestras – mas, é muito diferente de hoje?

O site Donne Women in Music reúne dados atualizados sobre a participação das mulheres na música clássica. Na temporada de 2019-2020, apenas 8,2% dos concertos incluíram peças de compositoras (pra você que curte um gráfico, mais detalhes abaixo)

O site foi criado no início de 2018, através da iniciativa da soprano brasileira Gabriella Di Laccio (que em 2018 foi inclusa na lista da BBC das 100 mulheres mais inspiradoras e influentes do mundo, segura essa Brasil, tá melhor que copa, tá não?)

Gabriella, radicada em Londres, reuniu uma lista com mais de 4 mil compositoras de diferentes países, classificadas por época (desde antes do século XVI até o século XXI – séculos 16 e 21 pra quem não tá a fim de fazer essa soma 😉

Além do site Donne Women in Music, também foi criado o canal do Youtube de mesmo nome para dar visibilidade para todas essas compositoras do passado e do presente (♪)

É muita coisa pra acompanhar né?

A lista das compositoras é quilométrica, difícil de resumir, mas aqui vai uma palhinha aproveitando o gancho da matéria da Sociedade Artística Brasileira >>>

Hildegard von Bingen (1098-1179)

Apesar de todas as dificuldades da época, Hildegard von Bingen (também teóloga, poetisa, dramaturga) foi uma das primeiras pessoas a assinar as suas composições.

Única compositora conhecida da era medieval, compôs aproximadamente 70 obras, sendo a mais conhecida “Ordo Virtutum”, um drama litúrgico sobre uma alma contra o demônio em busca de redenção.

Fiquem com essa belíssima apresentação na catedral de St. John’s em Los Angeles >>>

Clara Schumann (1819-1896)

A compositora prodígio, incentivada pelos pais músicos, escreveu seu primeiro concerto aos 14 anos de idade. Clara já era famosa quando casou-se com o compositor Robert Schumann (e a gente já sabe que as coisas não davam muito certo para as mulheres no casamento).

(Dito e feito) Após o casamento, a pianista ocupou-se com os afazeres domésticos, criação dos filhos e interrompeu a carreira.

Mas esta história tem um final feliz: Clara voltou a dedicar-se à música após a morte do marido, conquistando um enorme prestígio.

Ethel Smyth (1858-1944)

A gente não ia deixar de fora a compositora militante, né?

A britânica Ethel Smyth participava do grupo das sufragistas, ativistas dos direitos das mulheres, e compôs a obra “The March of the Women” que tornou-se o hino do movimento!

Muitas como uma, ombro a ombro e de amiga pra amiga bradam esse hino >>>

Chiquinha Gonzaga (1847-1935)

A história da música clássica das mulheres também acontece no Brasil!

Chiquinha Gonzaga, conhecida pelas marchas de carnaval, compôs aproximadamente 2 mil peças de diversos gêneros e foi a primeira mulher a reger uma orquestra no país.

Além de seu papel como mediadora entre a música popular e erudita, também era ativista política, participando de movimentos abolicionistas e desagradando alguns políticos da época com suas músicas (chegou a receber uma ordem de apreensão para a partitura de “Aperte o botão”).

Se uma mulher na música clássica incomoda, imagina uma mulher que se posiciona!

Além de Chiquinha Gonzaga, outras brasileiras compõe a lista como destacado pela matéria da GZH Música:

Esther Scliar (1826 – 1978), compositora, musicóloga, maestrina e professora;

Dinorá de Carvalho (1905 – 1980), pianista, compositora e primeira mulher a ser aceita na Academia Brasileira de Música;

Catarina Domenici, compositora, pianista, professora e também autora da canção de protesto “Marielle Presente“.

Uma sobe e puxa a outra!

Ah, mas era uma playlist que você queria?

A Spotify fez esse favorzinho pa nóis! A playlist “1200 Years of Women Composers: De Hildegard To Higdo” contém mais de 78 horas de músicas clássicas, totalizando 900 canções de 116 compositoras.

A playlist está organizada em ordem cronológica e resgata a história da música clássica ocidental feita por mulheres!

Preparada pra não perder o compasso nessa viagem no tempo >>>

Foto da capa: James Park on Unsplash

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s